Monthly Archives: Março 2016

Coisas que me apetecem… só porque sim.

Padrão

As sandálias são daquelas coisas que adoro, e raramente uso. Um dos meus sonhos era ter uma vitrine para os ter em exposição. Tipo cristaleira. Eu sei, sou louca. 🙂 Sobre as outras peças, nada a dizer: dois básicos fundamentais (calças largas em branco e preto), e um kimono para contrastar, edar  um up a qualquer conjunto liso e básico.

O body cinzento, na realidade, já cá mora em casa. O corte não é famoso, confesso, parece-me talhado para pessoas mais altas – é extremamente decotado, em cima e em baixo – e exigente ao nível da roupa interior… Para além de ser super-transparente. Vai daí tive de arranjar uma solução (top de renda preto, na Asos), que ainda não testei, por falta de oportunidade… Está para breve… 😉

Até já!

Anúncios

Tuesday cravings antecipado: Dia da Mulher

Padrão

oysho.png

Estou um bocadinho farta da conversa de que todos os dias são dias das mulheres, dos homens, dos gatos… bla, bla, bla. Se é verdade que não é preciso um dia especial para celebrarmos as pessoas da nossa vida, também é verdade que nos esquecemos muitas vezes do valor que elas têm, e tomamo-las por garantidas. Isto serve para os casais, para a mãe, pai, irmãos, amigos, para as crianças lá de casa – e para a nossa criança interior. E é para isso que servem os dias especiais, como reminder no calendário anual.

Quantas vezes ofereceram flores à cara metade este ano? Só porque sim, sem data marcada? Zero? Aham… E dizer à mãe (mesmo que seja chata) que gostamos muito dela? E dar um abraço ao melhor irmão do mundo? Um “tenho saudades tuas” àquela amiga que só vemos de quando em vez?  Força nisso então! Não é preciso um calendário para dar valor ao que temos, para dizer “gosto de ti”, e também não devia ser preciso um dia mundial para assinalar os direitos e a importância de metade da população mundial (give or take a chinese… ok, private joke aside). Mas é importante que haja. E, já agora, que venha com mimos.

E porque é de trapos que aqui se fala, ‘bora lá celebrar a preceito – e já a pensar no verão. A Oysho foi das primeiras a dar a cara pela iniciativa com um desconto simpático – só ONLINE, atenção – durante todo o dia de amanhã. 20% não são uma fortuna, mas já dá para a acrescentar uma peça ao cesto de compras. Eu já estou de olho nestas… Daqui a 24h é só clicar no botão “encomendar”…

Até já!

Mix de (boas) novidades…

Padrão
stop-everything-see-rihannas-new-collab-with-manolo-blahnik-1737548.640x0c

Botins Manolo Blahnik x Rihanna

As semanas de moda a acabar e os designers cada vez mais cansados do mesmo formato: exibir em Fevereiro para comprar em Setembro, na era dos posts em que se pode clicar e comprar, de imediato? Mudanças, precisam-se! Alguns decidiram retirar-se das passadeiras, outros fazem apresentações no seu próprio timing, e uns quantos resistem no esquema habitual, mas até quando?

Andam as marcas de couture nisto e a Zara avança, em força, para o desporto. Como já tínhamos referido aqui, há cada vez mais gente a cuidar do físico, e a fazê-lo de forma elegante: as t-shirts velhas e as calças de fato-de-treino coçadas já não fazem parte do guarda-roupa de ninguém… pelo menos, quando é para sair à rua. Vai daí, dia 10 de Março é O dia. Ainda se sabe pouco sobre o tema, e as imagens que sugiram não adiantam grande coisa, para além de peças básicas, em preto, e alguns acessórios indispensáveis (a garrafinha de água). Se a coisa não surpreender, continuo a preferir as propostas da Oysho. Assim como assim, fica tudo dentro do grupo… 😉

A Rihanna colaborou com o célebre designer Manolo Blahnik (Deus, na versão de SJP), numa coleção cápsula de 6 pares de sapatos, que serão vendidos apenas em Londres, Nova Iorque e Hong Kong, a partir de Maio. Elementos em comum? Blue denim, cristais e lantejoulas, e os saltos altos, naturalmente. A espreitar aqui.

E Zoolander 2 estreou, cheio de hype nas semanas de moda, presenças em eventos e até versões Ken dos personagens principais. As críticas não foram maravilhosas, mas um filme que consiga matar o Justin Bieber – ainda que a fingir – merece os meus €6 euros de bilhete.

oscars-2016-red-carpet-Cate-Blanchett

A passadeira vermelha dos Óscares foi ganha – de longe – pela Cate Blanchett, em Armani Privé. Lá dentro, a Academia atinou e a festa foi do DiCaprio. Merecidamente, nem que seja pelo somatório de boas interpretações com que já nos presenteou. Digamos que foi um prémio de carreira antecipado. Sim, foi isso.

Até já!