Tag Archives: Gap

Andar no rés-do-chão

Padrão
Slipper GAP (quero!!!!!)

Slipper GAP (quero!!!!!)

Este ano, os saltos dos sapatos levaram um tombo (figurado) e todas as tendências apontam para os rasos. Alguns com plataforma, muitos ténis e plimsoles (tipo Vans), e chinelos ortopédicos a rodos, os pés das fashionistas andam nas nuvens com tanto conforto. Para as verticalmente desafiadas (que é como quem diz, baixinhas), os saltos usam-se bem grossos, seguros, estáveis – dêem uma olhadela nas novidades da Zara, vão entender o que digo.

Olha que bem!, suspiram vocês? Pois é, sim senhora, prático e confortável é sempre uma vantagem, mas há um problema… são FEIOS que se fartam!!! A sério, a maior parte deles não faz bonitos os pés de ninguém, não alongam silhuetas, não são elegantes no andar. Não ajudam em nada a figura feminina, muito pelo contrário. E eu, gaja magra com pé de tamanho 39, não quero nada com isso.

Ah, e tal, dizem-me, o objetivo é esse: o look “pareço a minha tia manca e não me ralo nada” é cool… Sim, está bem, se fores uma modelo escandinava de 20 anos. Numa passerelle de Paris ou Nova Iorque. Na rua? Numa mulher real? Not so much

Assim sendo, esta é uma tendência que vou deixar passar – a dos saltos feios, não a dos rasos bonitos. E para provar isso mesmo, aqui ficam sugestões de rasos para arrasar (!) esta Primavera. Confortáveis e lindos, como deve ser.

Até já!!

Anúncios

Baby B(l)oomers

Padrão
Jeans pré-mamã H&M

Jeans pré-mamã H&M

Pois que, nos últimos dias, choveram notícias (abençoadas) de novos bebés para o nosso círculo de amigos. Sendo eu daquelas pessoas que acha que, contra a crise, a solução está em aumentar a natalidade (não se pode ir jantar fora, ou ao cinema, e há que pensar na sustentabilidade da segurança social, certo?), estas notícias não podiam ter vindo em melhor altura. Parece que são rapazes, o que invalida os esforços de empréstimo dos quilos (toneladas!) de roupa da minha B., mas paciência: mais princesas virão!

Para as futuras mamãs, a problemática “o que vestir?” adquire nesta altura todo um novo significado. O corpo muda (aumenta!) de mês a mês, e poucas são as peças do nosso guarda-roupa que são possíveis usar a partir dos 4/5 meses, sobretudo se estamos a falar de calças. Neste departamento, creio não haver volta a dar: um par de jeans confortáveis, de maternidade, são essenciais. Outra peça que não podemos  contornar são os soutiens de suporte ou – mais tarde – de amamentação, com alças largas e caixa ampla, para maior conforto. Acreditem quando vos digo: vão fazer toda a diferença!

Cardigan Zara

Cardigan Zara

A partir daqui, existem 3 maneiras de encarar a roupa durante a gravidez (e o pós-parto): a) comprar todo um guarda-roupa propositado; b) continuar a comprar a roupa que gostamos, 1 ou 2 tamanhos acima; c) fazer um mix de peças que já temos com roupa de corte largo ou tecidos elásticos, que nos servirá antes, durante e depois de uma gravidez. Tendo em conta que a opção 1 é para quem pode, e a 2 implica um desperdício de peças de roupa após 6 meses de uso, eu sou daquelas que é adepta da opção 3, com algumas exceções (as tais jeans de maternidade). E assim sendo, o que usar?

Em busca de inspiração, basta cuscar os blogs de moda que mais consultem. Muitas das bloggers da nossa praça (a Ana ou a Maria) optaram por túnicas e leggins, durante o inverno, ou calções e tops fluídos no verão. Eu acrescentei ao cardápio blusas tipo “camponesa”, com motivos florais, que acolhem o decote generoso e a barriga, sem ser preciso comprar o número acima, e tops de jersey macio e elástico, que esticam connosco! Vestidos de linha A, ou em malha, que acomodem o “embrulho”, também são uma excelente opção, como podem ver aqui.

E de resto? Os sapatos. Ai, os sapatos. Nos últimos meses de gravidez, saltos serão cada vez mais complicados, ainda que sejam cunhas, e não ajudam em nada a saúde de mamã e bebé, por isso esqueçam-nos. Invistam em um ou dois pares rasos de boa qualidade, e o assunto fica resolvido. Até porque, no primeiro ano de vida do baby, vão passar a vida com ele ao colo, pelo que os saltos continuam a ser um empecilho. A não ser que sejam a Victoria Beckham… 😉

Vestido Mango

Vestido Mango

E onde é que vamos para tratar disto? Booommmm… depende do orçamento, certo? Eu cá investi nos soutiens: as miúdas ficaram quase o dobro, minha gente, é obra! Vieram da Triumph e da Chicco, e não tive razões de queixa. Também comprei – em saldos – um par de calças para a primavera/verão, da Benetton pré-mamã, super-confortáveis.  As calças de ganga foram mais em conta: vieram da H&M e eram do melhor que há! Passei 6 meses dentro delas (mais coisa, menos coisa). A partir daqui, não adquiri nenhuma peça que não use atualmente: leggins, vestidos, túnicas, blusas e casacos de malha, está tudo em rotação.

Para as mais indecisas, deixo algumas sugestões. Mango, Zara, H&M, Gap, todas as grandes cadeias têm linhas de maternidade com peças básicas e confortáveis. Os cortes largos vão servir no pré e pós parto, porque, para quem ainda não sabe, a barriga demora a ir ao sítio. E o conforto dos materiais é o mais importante. Pode não ser para já, mas nunca se sabe quando a cegonha “ataca”, certo? Eu já ando a pensar na 2a ronda… 😉

Até já!

Sexta-feira negra

Padrão

Campanha X-mas Pass da Lanidor

Nop, não aconteceu nada de mal, pelo contrário: sexta-feira negra passou a ser sinal de sorte! De há uns anos para cá, as nossas marcas têm aderido ao conceito de “Black Friday” – a sexta-feira a seguir ao dia de “Ação de Graças” americano ou, para quem vê muitos filmes, o “dia em que toda a gente por lá come perú até cair” – em que as lojas fazem um enorme desconto aos seus produtos, de forma a arrancar as promoções e campanhas de Natal. Por cá, a Fnac já tinha o seu “dia aderente” bem antes da crise começar, mas juntou-lhe uma Black Friday e agora toda a gente se quer juntar à festa. A Lanidor criou o X-mas Pass, que dá descontos às fashionistas num período de compras antes do Natal – e dos saldos – e outras marcas já estão a fazer descontos em diversas linhas: a Benetton é uma delas, com descontos na linha de criança. Yei!

Lá por fora, a Gap, a J.Crew, a Asos, a TopShop, a BeautyBay, e muitas outras lojas on-line apresentam propostas de redução semanalmente – esta semana nas mallhas, a próxima nos acessórios – e não há dia que passe que a minha caixa de e-mail não tenha, pelo menos, 2 ou 3 propostas tentadoras… mas o dinheiro não dá para tudo, certo? Ainda assim, vale a pena aproveitar para as prendinhas de Natal dos que mais amamos (e nossas!).

Até já!

Anda comigo ver as promoções…

Padrão

Se não têm vivido debaixo da terra nas últimas duas semanas, já perceberam que começaram as “promoções”, que é como quem diz – os saldos. Mesmo não estando na época oficial, marcas como a Mango ou a Lanidor já estão com baixas que chegam aos 50%, o que significa que, quando chegar Agosto, já não há nada que se aproveite. Que diabo, daqui a uma semana já não há muito por onde escolher. Assim sendo, há que aproveitar enquanto a carteira deixa, e como até a Zara já tem peças com desconto, é combinar com as amigas e seguir para o shopping – ou para o comércio tradicional, é como quiserem. Mesmo que só tenham 20 euros para gastar, há muito a ver, por isso aqui ficam algumas dicas:

Dica zero: o trabalho de casa.

Façam o inventário do roupeiro e construam uma lista do que precisam efetivamente. Incluam duas ou três peças que gostavam de ter, não essenciais, mas do género “para acompanhar as tendências”. Façam o browsing da loja mas foquem-se na lista. Ataques do género “ai uma camisa branca tãooo gira” curam-se com esta tática: “Nota mental, já tenho sete” – siga para bingo, e a camisa fica onde está.

Pesquisem on-line: se descobriram os sapatos da vossa vida, e querem mesmo muito tê-los, vão à loja experimentar. Só há 37 em preto? Experimentem, o modelo é o mesmo. Depois peçam para verificar se há noutra loja. Ou comprem diretamente on-line, se confiarem na marca – já comprei na Zara, Mango, Net-a-Porter, Gap e Asos e nunca tive problemas. Usem um cartão de crédito com um limite baixo, só para este tipo de compras, e nunca comprem em sites desconhecidos, ou que não tenham selos de segurança. Se tiverem dúvidas, consultem o site do vosso banco, eles dão esclarecimentos nesta área. A vantagem? Não têm de passar por nada do que está abaixo!

Dica número 1: aproveitem a manhã.

As lojas estão mais calmas, está tudo nas prateleiras como manda o figurino, os pés fresquinhos e a cabeça organizada, para poder fazer compras inteligentes. Os funcionários também são mais amáveis de manhã. Já entraram numa Zara, às seis da tarde de um sábado? Pronto, é isso que queremos evitar. Ah, e tomem um bom pequeno-almoço. Não se preocupem, vão queimar as calorias todas, e não desfalecem.

Dica número 2: travel light.

Levem roupa que seja fácil de vestir e despir – não há nada pior que entrar na segunda loja e já estar a definhar de cansaço, quanto mais ter vontade de experimentar o que quer que seja… Façam um roteiro, por zonas ou objetivos, e não se desviem. Não exagerem no número de lojas a visitar, e tentem estabelecer um bloco horário para cada uma: meia hora aqui, dez minutos ali… Levem uma carteira com o mínimo essencial – menos um peso – e um saco de alças largas ou um trolley. Eu sei, eu sei, figurinha triste, certo? Eu voto no saco! É mais ecológico e não dá cabo dos pulsos e mãos ao fim de umas horas… (os da FNAC são muito simpáticos).

Dica número 3: perguntar não ofende.

Nem sempre o que há na loja é só o que está exposto. Perguntem pelo outro número, pela outra cor – podem ter sorte. As senhoras e senhores estão lá para fazer o seu trabalho – ajudar-nos – e desde que sejamos educadas e simpáticas, só têm de nos tratar bem.

Dica número 4: proibidas compras de impulso.

Apenas porque nos tiram saldo para as peças que são necessárias. Só é permitido fazer compras por impulso SE o item custar menos de 10 euros; OU se as amigas aprovarem, E se conseguirem construir 3 coordenados à volta dele. Menos que isso, no way!

Dica número 5: ver bem, experimentar sempre.

Muitas vezes, durante estes períodos – e apesar de ser ilegal – há lojas que não aceitam devoluções ou trocas. É cada vez mais raro, mas ainda acontece. Verifiquem bem baínhas, eventuais buracos, zonas descosidas ou outros “pequenos defeitos”. Muitas vezes, as peças danificadas estão identificadas como tal, mas é mais comum serem misturadas com as restantes, na esperança de serem adquiridas sem que o cliente perceba. Levem a amiga para o provador e peçam-lhe para inspecionar atrás e de lado, onde não conseguimos ver tão bem. Vejam-se bem ao espelho – a H&M tem vários espelhos, um deles regulável, o que é ótimo para quem gosta de se ver de todos os ângulos.

Dica número 6: equacionem as possibilidades.

Trazer um M quando vestimos um XS pode não parecer muito lógico, MAS se tivermos uma excelente costureira que nos encolhe o vestido, e o dito é uma pechincha – why not? Já não aconselho o mesmo com sapatos – pode parecer algo óbvio mas não é: conheço muito boa gente que comprou sapatos acima ou abaixo do seu número “só” porque eram da marca X e ficam giros… no armário.

E verifiquem se a peça que querem há noutra loja, e a que preço. Exemplo: calças brancas. Qual o corte? São muito transparentes ou não? Aqui são X, ali custam Y – mas a a qualidade é melhor. E são muito “datadas” ou mais intemporais? Neste último caso, pode pagar-se mais por elas, porque são um investimento…

Pronto, estas são as minhas regras essenciais. Se tiverem mais sugestões que queiram partilhar, digam de vossa justiça… mi casa es su casa!

Até já!

Parcerias de sucesso: DVF&Gap Kids

Padrão

Meninas muito fashion!

A minha B. ganhou por estes dias duas prendas vindas diretamente da coleção Diane Von Fustenberg para a GAP Kids. É o que dá ter uma mãe com o bicho da moda… Todas as peças são amorosas, alegres e 100% algodão, o que é ótimo para as nossas crianças. Os vestidos começam em 24 libras (perto de 30 euros) e não podiam faltar os icónicos modelos envelope da estilista, que a catapultaram para a fama mundial (procurem wrap dress online e vão ver o que aparece). É claro que a B. não podia deixar de ter um… mas há mais: t-shirts, calções, leggins, sandálias, todos com padrões DVF.

A festa de lançamento da linha, no início do mês passado, em LA, contou com a presença de várias celebridades-mamãs, fãs da designer e que vão concerteza passar “o bichinho” às filhotas – sim, porque esta coleção foi só para as meninas. Sorry, boys… ;o)

Até já!